Há um século: Estadão noticiava os avanços no desenvolvimento da vacina contra tuberculose

Liz Batista - O Estado de S.Paulo

08/01/2021 | 19h08   

Notícia trazia declarações de Albert Calmette, subdiretor do Instituto Pasteur e criador do imunizante

O médico Albert Calmette, que em parceria com Camille Guérin, desenvolveu a vacina BCG contra a tuberculose.

O médico Albert Calmette, que em parceria com Camille Guérin, desenvolveu a vacina BCG contra a tuberculose. Foto: Acervo/Estadão

A edição de 08 de janeiro de 1921 do Estadão trouxe em sua capa uma feliz notícia para área da Saúde e da Ciência. Entre os telegramas com notícias estrangeiras, uma nota de Paris informava sobre os mais recentes avanços no desenvolvimento de uma vacina contra tuberculose. Nela, o cientista responsável por sua pesquisa, o médico biologista, imunologista e subdiretor do Instituto Pasteur, dr. Albert Calmette, contava como havia sido bem sucedida sua experiência de imunizar vacas. Os resultados positivos nesse estágio da pesquisa indicava a proximidade e as elevadas chances da sua utilização da vacina em humanos, e finalmente a possibilidade de vencer a doença.

Nesse tom esperançoso o médico concluia suas declarações: “Estamos apenas no começo, porém, as possibilidades que se nos apresentam são imensas. Precisamos apenas trabalhar muito, seguindo um caminho aberto, que nos conduzirá talvez a uma esplêndida realização”, contava a nota no jornal.

>Estadão - 08/01/1921

 

Estadão - 08/01/1921

Estadão - 08/01/1921 Foto: Acervo/Estadão

 

Naquele mesmo ano a vacina BCG, que leva o nome dos criadores da fórmula, Albert Calmette e do veterinário Camille Guérin (que descobriu o bacilo causador da doença), foi usada com sucesso em humanos. A BCG é mundialmente utilizada e ao longo dos anos se mostrou eficiente na prevenção a hanseníase. Hoje cientista estudam sua viabilidade para auxiliar no combate à pandemia de covid -19.

>Estadão - 08/01/1921

 

Estadão - 08/01/1921

Estadão - 08/01/1921 Foto: Acervo/Estadão

 

Descrita na literatura médica desde a Antiguidade, a tuberculose é até hoje uma das doenças infecciosas que mais mata no mundo, com uma taxa de cerca de 1, 6 milhão de mortes ao ano. No século 19 e início do século 20 a doença era chamada de “mal do século” dada sua alta incidência e crescente transmissão nos grandes centros urbanos. 

 

Leia também: 

Em diferentes épocas, vacinas mudaram o curso da História

Em diferentes épocas, vacinas mudaram o curso da História Foto: Acervo/Estadão

#10 vacinas que mudaram a História

#Politização e desinformação insuflaram Revolta da Vacina em 1904

# 66 dias de terror e morte na luta de SP contra a gripe espanhola

#Cães foram vítimas de coronavírus nos anos de 1980

+ ACERVO

> Veja o jornal do dia que você nasceu

> Capas históricas

> Todas as edições desde 1875

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.