Jardim América: da lama ao luxo

Liz Batista

12/10/2012 | 22h33   

Veio da Inglaterra a concepção urbanística que deu origem ao tradicional bairro paulistano

 

Dentro do quarteirões, jardins internos.

Mapa Jardim América City of São Paulo Improvements and Freehold Land Ltd.

Foto: Arquivo/AE

Uma metrópole que crescia moldada pelo processo de industrialização. Assim era a capital paulista no início do século 20. Sem planejamento municipal e política de desenvolvimento urbano claros estruturados pelo poder público, a organização espacial de São Paulo tem muito a creditar à iniciativa privada.

Localizado em uma região considerada inadequada para habitação, o novo bairro surgiu após a drenagem de um milhão de m² de charcos e pântanos, na margem norte do Rio Pinheiros.

Foi a primeira área de loteamento planejado da capital. Com regras de zoneamento, direcionamento do trânsito e normas de construção com limites de ocupação do espaço, tornou-se um padrão de qualidade para os futuros loteamentos – todas as legislações urbanas adotadas na cidade tiveram nos regulamentos da City seu ponto de partida – e modelo para os projetos dos Jardins Europa e Paulistano, Pacaembu, Alto de Pinheiros e City Lapa.

O Estado de S.Paulo, 29/4/1962

# Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.