Muammar Kadafi: 10 anos da morte do ditador que dominou a Líbia por 42 anos

Acervo Estadão - O Estado de S.Paulo

20/10/2021 | 15h19   

Capturado e morto por forças opositoras em 20/10/2011, Kadafi teve corpo exibido como troféu

Na esteira da Primavera Árabe de 2011, o ditador líbio Muammar Kadafi viu seu poder abalado pelas enormes manifestações populares que pediam sua deposição. Comandante de um governo marcado pela brutalidade, violação de direitos humanos e associação ao terrorismo global, Kadafi estava no poder desde 1969, quando liderou o movimento militar que derrubou a monarquia no país.

Oito meses após o início dos protestos e com a Líbia mergulhada numa guerra civil, Kadafi foi capturado e morto pelas forças rebeldes. Sua morte noticiada na capa do Estadão de 21 de outubro de 2011.

> Estadão - 21/10/2011

> Estadão - 21/10/2011

> Estadão - 21/10/2011 Foto: Acervo/Estadão

"De forma sangrenta, a Líbia encerrou ontem a ditadura de 42 anos de Muammar Kadafi. Em circunstâncias ainda não esclarecidas, o ditador foi morto durante a fuga de seu comboio de sua cidade natal, Sirte, último reduto do antigo regime". Assim o texto de Andrei Netto, enviado especial do jornal, descreveu o fim de um dos líderes mais sanguinários, excêntricos e provocadores do mundo contemporâneo. 

> Estadão - 21/10/2011

> Estadão - 21/10/2011

> Estadão - 21/10/2011 Foto: Acervo/Estadão

> Estadão - 21/10/2011

> Estadão - 21/10/2011 Foto: Acervo/Estadão

 

“Líbia precisa de alguém para a fazer chorar, não para a fazer rir”. A frase de Muammar Kadafi deste intertítulo,  reproduzida num texto do L’Express e republicada no Estadão em 14 de novembro de 1971, era uma amostra do estilo do jovem ditador que há dois anos tomara o poder na Líbia.

> Estadão - 14/11/1971

 

> Estadão - 14/11/1971

> Estadão - 14/11/1971 Foto: Acervo/Estadão

Escrito por Roger, X. Lanteri, o texto fazia um perfil de Kadafi, cujo nome naquela época era grafado nas páginas do jornal como “Moumar Khadafi”: “… Com êle, não há compromissos – declara-nos um diplomata. Êle vai em frente, avança ou cai”. Célebre e desconhecido, este personagem que sonha com um “risorgimento” árabe é um puro berbere, um Garamante. Os cavaleiros de Aníbal que, outrora, invadiram a Europa eram Garamentes. Em vez de aceitar o julgo romano – e em seguida a tutel árabe -. êles preferiram refugiar-se no deserto. Durante vinte séculos, foram eles que guiaram as caravanas desde o Nilo até o Niger.

 

Franco, sincero, o sr. Khadafi tem por regra a ignorância das regras. Quando o embaixador da Checoslováquia lhe apresentou suas credenciais, o Alceste líbio, em vez dos cumprimentos rituais, observou-lhe: “Como lamento que sejais cidadão de um país escravizado!” …”

Veja essa e outras páginas publicadas no Estadão sobre a Líbia e Kadafi:

> Estadão - 02/9/1969

> Estadão - 02/09/1969

> Estadão - 02/09/1969 Foto: Acervo/Estadão

> Estadão - 13/6/1972

> Estadão - 13/06/1972

> Estadão - 13/06/1972 Foto: Acervo/Estadão

> Estadão - 25/7/1973

> Estadão - 25/07/1973

> Estadão - 25/07/1973 Foto: Acervo/Estadão

> Estadão - 10/8/1986

> Estadão - 10/8/1986

> Estadão - 10/8/1986 Foto: Acervo/Estadão

> Estadão - 19/01/2003

> Estadão - 19/01/2003

> Estadão - 19/01/2003 Foto: Acervo/Estadão

> Estadão - 21/9/2009

> Estadão - 21/09/2009

> Estadão - 21/09/2009 Foto: Acervo/Estadão

> Estadão - 17/8/2002

> Estadão - 17/8/2002

> Estadão - 17/8/2002 Foto: Acervo/Estadão

+ ACERVO

> Veja o jornal do dia que você nasceu

> Capas históricas

> Todas as edições desde 1875

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.