Plano Collor confiscou poupança e trocou moeda

Liz Batista - O Estado de S.Paulo

16/03/2020 | 12h22   

Medidas tomadas pela equipe econômica de Zélia Cardoso de Mello tentaram conter hiperinflação

Em 15 de março de 1990, Fernando Collor de Mello assumiu a Presidência da República com feriado vancário decretado pelo antecessor José Sarney. No dia seguinte à posse,  o novo presidente colocou em curso um ambicioso plano econômico que ficou conhecido como Plano Collor.  A equipe, chefiada pela ministra da Economia, Zélia Cardoso de Mello, lançou mão de ações drásticas, como o confisco de todo valor acima de 50 mil Cruzados Novos depositado em contas bancárias físicas e jurídicas, com o bloqueio das cadernetas de poupança com saldos superiores ao valor, por 18 meses. 

O Estado de S.Paulo - 17/3/1990

O Estado de S.Paulo - 17/3/1990 Foto: Acervo/Estadão

A ampla frente de medidas implementadas para tentar conter a hiperinflação no País também envolveu  troca da moeda, de Cruzado Novo para Cruzeiro, a ampliação da insidência de IOF, cortes de gastos públicos, congelamento de preços e salários.

O Estado de S.Paulo- 17/3/1990.Clique aqui para ver mais

O Estado de S.Paulo- 17/3/1990.Clique aqui para ver mais Foto: Acervo/Estadão

O plano não conseguiu fazer frente à grave crise inflacionária, em 31 de janeiro de 1991, foi anunciado o Plano Collor 2.

45 imagens

Veja também:

#"Plano Collor tinha caráter recessivo, mas com método", diz ex-presidente

#Relembre medidas dos 6 meses iniciais de cada mandato presidencial desde Sarney

#Perfil Collor de Mello

Acervo Estadão

Todas as edições | Censuradas | Tópicos | Personalidades | Lugares | Páginas da História

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.