Relembre o caso de escravidão contado no podcast 'A mulher da casa abandonada'

Liz Batista - O Estado de S.Paulo

26/07/2022 | 13h00   

Estadão cobriu o caso que terminou com a condenação de René Bonetti pela Justiça dos Estados Unidos

O podcast do jornal Folha de S.Paulo,“A mulher da casa abandona” trouxe, novamente, ao noticiário um caso de trabalho escravo envolvendo um casal de brasileiros em 2000. O engenheiro René Bonetti e sua esposa Margarida Bonetti foram acusados de agressão contra uma ex-empregada doméstica e de mantê-la por quase 14 anos em condições de trabalho análogas à escravidão na casa em que viviam nos Estados Unidos.

>> Estadão - 11/02/2000

>> Estadão - 11/02/2000

>> Estadão - 11/02/2000 Foto: Acervo/Estadão

René foi condenado, Margarida, figura central do podcast, escapou para o Brasil. Hoje o crime está prescrito e, segundo juristas, por ser brasileira ela não poderia ser extraditada.

Na época, o caso teve grande repercussão na imprensa americana e brasileira. Como mostrou a cobertura do Estadão, assinada pelos correspondentes Paulo Sotero e Monica Yanakiew, o jornal The Washington Post dedicou um editorial ao assunto. A Comissão de Relações Exteriores da Câmara de Representantes aprovou um projeto de lei obrigando diplomatas e profissionais estrangeiros que levassem empregadas domésticas aos Estados Unidos a respeitar direitos básicos de assalariados.

>> Estadão - 11/02/2000

 

>> Estadão - 11/02/2000

>> Estadão - 11/02/2000 Foto: Acervo/Estadão

 

O crime também levou o Ministério da Justiça a criar um serviço telefônico para receber “denúncias sobre trabalhadores mantidos em condições de servidão por estrangeiros ou americanos que patrocinam sua ida para os EUA”.

Confira outros detalhes da cobertura: 

Em 11 de fevereiro de 2000, o caso foi chamada de capa do Estadão,  com a notícia da condenação de René Bonetti pela Justiça americana. Bonetti foi considerado culpado por três crime, por ter mantido sua empregada em regime análogo à escravidão, sem pagar salário por anos, por ter colocado sua vida em risco e mantê-la nos Estados Unidos como imigrante ilegal.

>> Estadão - 18/02/2000

 

>> Estadão - 18/02/2000

>> Estadão - 18/02/2000 Foto: Acervo/Estadão

Na data, a sentença ainda não havia sido proferida. A matéria informava que a pena máxima poderia chegar a 20 anos de cadeia. - Bonetti foi condenado a 6 anos e meio de prisão e a pagar indenização de cerca de 110 mil dólares à vítima por salários atrasados, além de multa de 100 mil dólares.

A notícia trazia outros detalhes, informava que Margarida não estava sendo julgada nos Estados Unidos porque havia viajado para o Brasil. Durante o processo, antes do veredito, René declarouse eu for condenado, vou aconselhar minha mulher a não voltar”. Margarida não voltou ao Estados Unidos, foi considerada foragida no país e, segundo o podcast, entrou para a lista de procurados do FBI.

No julgamento, como mostrou o Estadão, a defesa tentou alegar que a vítima era uma “amiga da família” e vivia na residência dos Benetti nessa condição e não como empregada. Ao depor, René ao afirmar tal tese, disse que ela não era sua empregada pois era “incompetente” e “débil mental” e era totalmente dependente.  

>> Estadão - 15/8/2000

 

>> Estadão - 15/8/2000

>> Estadão - 15/8/2000 Foto: Acervo/Estadão

 

O caso chegou ao conhecimento das autoridades em 1998, quando vizinhos do casal Bonetti, em Gaithersburg, Washington, internaram a vítima num hospital para tratar um tumor. O Serviço Social informou a polícia sobre a negligência do casal de brasileiros.

Analfabeta e sem falar inglês, a empregada doméstica depôs por meio de um intérprete no julgamento realizado num tribunal federal do Estado de Maryland. Disse que era tratada como escrava e descreveu várias humilhações e abusos físicos por parte de Margarida Bonetti.

>> Estadão - 16/6/2001

 

>> Estadão - 16/6/2001

>> Estadão - 16/6/2001 Foto: Acervo/Estadão

Leia também:

>> A mulher da 'casa abandonada' em Higienópolis; entenda o caso

>> Mulher da 'casa abandonada' de Higienópolis ainda pode ser punida? Entenda

+ ACERVO

> Veja o jornal do dia que você nasceu

> Capas históricas

> Todas as edições desde 1875

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.